Monday, 29 November 2010

Mal de mim


O mundo eh o mundo em suas mutacoes
A Natureza age furiosamente
E nos efeitos de mim sobre mim mesmo
Caio em minha mais doce armadilha.

Com S no final...


Vi uma crianca hoje pela manha
Que me lembrou tanto voce...
Foi bom... Por que eu ja ia me esquecendo
O quao delicado era o teu rosto

Estranha sensacao de alivio
Lapis vermelho entre os dedos
Projetou-se em mim o mapa do vicio

Nem me viu sequer a esqueco
Corro a beira do meu precipicio
Escrevo estacoes a fio
Na aflicao fecho os olhos
fujo do escombro
Me calo e adormeco em seu ombro

Nem cafe, nem drama
Tripudio a dor
Viajo a Veneza
Mergulho em tua trama

Sorrio nervoso
Vento frio da tua falta
Sorriso que perdi num caminho
Sem sinais, descida de morro
Num canto do mundo
Sem mais...








Tuesday, 16 November 2010

Maria


Arvore virgem
Sol empurrado pra longe do meu planeta
Lagrima extinta na fonte e nos olhos
Oficina natural de artificios
Asas a imaginacao dos homens
Berco unico de renovacao
Colo forte e gracioso

Ela tem seus amores pra la
Mas todo anjo tem um desejo

Projetil simples
Impermeavel
Articulada
Despojada

Pata que pisa e floresce ao redor
Na ausencia resceca o capim
Vagao de palavras
Completa tua pagina
Licor de jasmim
Crencas, povos e sotaques
Criticas escritas aa destra
Testemunhos elaborados
Fascinio por tua palestra









Saturday, 6 November 2010

Tranca-afiada


Tudo que vai vem da raiz
Na consciencia encravada que o pe de cabra entorta
Quebrando as quinas
Espanando porcas
Empenando eixos
E arrombando portas

O olho imovel observa
O rapido rabisco
O rapido borrando a imagem
Folhas secas voam
Num mosaico miragem

Coracao de pedra
Halito frio
Clonagem do cio
Inventei que vivo

Virgem contato
Lembrancas em bruma
Salgada e sem cor
Lagrimas de um relato

Caindo de costas
Container de pluma
Perdao a si mesmo
Nem tudo se arruma

Passei por nos dois
Chorei so de rir
Soltei sete pedras
Quando me disse que podia ir

Fui ao fundo asfixiado
Sem verbo, palavras ou ditado

Mas onde ha luz
Sigo guerreiro o Jesus
Que em mim tatua paz
So de olhar e nem forca faz.