Tuesday, 21 April 2009

Esterlina

Assim como as mãos que descem dentro d`agua
revestida pelo frio e pelo roçar de bolhas minúsculas
são os meus olhos, que transportam a mesma faiscante,
cintilante e brilhante sensação efervescente da linha que
contorna teu lábio, dos dentes que compram tua causa e te
fortalece numa luta predatoria e não de egoísmo
Nos olhos que vagueiam simples e sem maldade
Na juventude que agarrada numa corda se despede
e logo é arrastada aos berros

Mas que ainda tenta se acalmar
e vai ficando por mais um instante,
Entre o frio e o fervor disso tudo
vejo minhas mãos sendo então
retiradas da água,
e tudo escorre entre os dedos
mas o frio permanece
descolorindo ainda mais
a minha palidez .

@dri

Monday, 6 April 2009

Estrela

Espero que todas as flores e lirios dos jardins por onde você passou hoje tenham tido a sorte de ter florescido à tempo, pra te ver, pra viver, pra sorrir, pra aprender... Pra ter certeza absoluta de que quando cair uma gota de chuva em sua pétala perceber que não esta sonhando, que ela realmente existe.

Saturday, 4 April 2009

Sinhazinha

Segurar a mesma caneta que passou por suas mãos
Jamais possuir o dom de expressar com palavras
mas imitar tua grafia
Socorrer a flor que você chutou sem querer inundando
um jardim inteiro de medo
Acreditar que quando você jura por tudo do fundo do coração
e da alma seria verdadeiro
E o que se torna critico, tentar provar isso pra si mesmo
se a alma e o coração pertencem a você
Mas, humilde e quase curvo em reverencia me ponho
de olhos pequenos que sorriem
Imaginando o roteiro que faria num filme de época
somente por passa-los sobre teus lábios por um só instante
E gentilmente me despediria com um tradicional e
desastrado, Até logo!