Sunday, 31 January 2010

Natural do ciclo


Só você e você somente,

Completa e liquída o medo,

Disfarça e retoma o caminho

Ideias diversas sombreadas de preto

Cílios longos asas dos olhos

Descançam sobre o rosto lavado

E que agora sêco pelo calor da pele

Incrédula da capacidade e do poder do agora

Tirando o véu para o ciclo vital que trará natural e limpa

A água que lava o caráter sincero e mostra publicamente

A pureza que se revela

1 comment:

Adriana Rocha Geografia/História said...

Muito bom esse poema, ter medo sempre nos faz mto mal, falo por mim, por medo já deixei de ser feliz, mas não aprendi a enfrentá-lo ainda, sei que o medo faz parte da vida, é algo real, não palpável, mas infeliz de nós que nos deixamos derrotar...sei que o nosso ser interior é aquele que realmente vence o medo, liquida-o. Quando...o vencemos, realmente a pureza se revela, essa pureza que o poeta tão lindamente a associou ao caráter sincero lavado pela ÁGUA/ALMA!!! Dri...amo ler seus poemas, minhas alma se revigora! Continue sempre me alimentando dessa energia, força metafísica que me transforma num ser melhor!! DRI ROCHA