Saturday, 2 January 2010

Confissão de outra espécie



Vivo ao máximo a integridade daqui,

sem limites atráves daquele horizonte intocável

onde você nao sente e nem vê o frio terrível que arraza

entre o azul e o tudo.

Moro numa Óca introduzida por um slide que servia

para transportar armas que sobrou de dentro de alguns

canchões... O povo trabalha desesperadamente pra reconquistar

o que foi perdido tecnologicamente, aprimorar o existente e

desvendar o que ainda se esconde por traz dessa ignorância que

funciona como um véu negro tapando nossos olhos, pressionando

nossas cabeças, e que é o maior inimigo da espécie eu diria, invadindo

nossa intimidade e colocando barreiras em nossa produção de ideas e

rasciocínios lógicos.

Admiráveis datas e comemorações humanas, a alegria conquistada

mesmo existindo somente o desejo pela evolução e uma mentalidade limpa

e concreta. A boca calada de governos que se escondem atrás dessa ingênua

alegria alheia, que salientemente se masturbam com a língua pra fora vendo

fotos desses incontáveis sorrisos que em algum ponto da corrida poderão

vivenciar nessa mesma era uma revira-volta, nesse clima de sem-vergoísmo

político gerado por nós mesmos, pela vista-grossa, pelo jeitinho Brasileiro já

descascado com um facão pela ilustre educadora e dona de algumas colunas

em alguns correios Adriana Rocha.

A cicatriz no rosto desse País que não tem culpa ficará pra sempre isso

será inevitável mas primeiro temos que desinfeccionar e retirar os pontos pra

que a ferida se feche, para que a lesão moral cicatrize. Nascerá então uma pele

de veludo chamada vergonha sobre todos os rostos que deverão cuidar e temer

pela própria e individual reputação chamada mais uma vez de VERGONHA.




2 comments:

Adriana Rocha Geografia/História said...

É incomensurável a admiração que tenho em sua obra literária, principalmente quando se trata de tais temas, tão relevantes, no que concerne à atualidade política e social do nosso país. É eloqüente a sua forma de bailar com as palavras (sei que já falei isso, mas tal trunfo merece ser ressaltado). É muito emocionante ver meu nome e meu texto citado em sua obra. Pretendo trabalhar com esse texto em sala de aula, pois os jovens merecem tomar contato com citações que os façam pensar e sentir a necessidade de criar em si próprios a tão esperada pele de veludo, a importante vergonha que enaltece e muito o caráter de todos nós. Parabéns escritor pelo lindo trabalho!!

Adri@no said...

Meu Deus!Obrigado voce minha querida Adriana!!Fique a vontade pra trabalhar esse texto se for de seu interesse. Sempre que quiser. Admiro muito o seu trabalho tambem, saiba disso. grande bjo e saude p vc. adri