Tuesday, 11 January 2011

Nocao de mim


Sem saber se fico, me jogo
Consequencia lida sim! Eu me importo.
Controle do que sei, nao mais
Fugir do vazio, pro escuro
Pra luz dos teus olhos, me empurro
Contato visual, anseio
No ultimo cais em Viena
Mar cheio

Efeito da lua em tua causa
Nervoso, sorrio sem jeito
Duas maos em teu rosto
Acalma
Seus cuidados comigo
Vestido branco que quara
Objeto celeste brilhante
Volto a deitar-me contigo
Acordo e te vejo no espelho
O dia se faz dessa imagem
Acredito, nao eh miragem
O ceu me ofusca a visao
Pipoca e televisao
Filme, cobertor e sorvete
Voce cantando em falcete
Um abraco meio apertado
Sai! deixa eu tirar essa blusa
Seu tarado!
Mordida na coxa grossa
No queixo nao, ela engrossa
Ja fiz de tudo por hoje
Cansei minha beleza
e por ela pudesse viver , fosse
Mas o que mais me contenta
E o sorriso dela, doce
Dormimos colados assim
perdendo cada vez mais
A nocao de mim.

1 comment:

Adriana Rocha Geografia/História said...

Uma bela descrição de uma paixão avassaladora! Linda poesia! Bjk